Em reunião da Fetropar, Sinttrol discute contribuição sindical e formação para trabalhadores

Na tarde de ontem (28), o Sinttrol participou de mais uma reunião mensal da Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Paraná (Fetropar), junto a outros sindicatos filiados a entidade.

O grupo debateu a adoção de estratégias para que o direito a autonomia dos trabalhadores de decidirem em assembleia geral sobre o desconto da contribuição sindical.

No entendimento do Ministério Público do Trabalho (MPT), as mensalidades são uma questão que devem ser debatidas coletivamente pela própria categoria, sem interferências do governo – como fez o Governo Temer com a Reforma Trabalhista, que retirava a obrigatoriedade das contribuições.

Na reunião da Fetropar, os sindicatos decidiram enviar notificações sobre o tema para escritórios de contabilidade, junto ao enunciado do MPT que dá autonomia aos trabalhadores para escolherem como funcionará a contribuição em seus respectivos sindicatos.

“A contribuição sindical não é um luxo do sindicato, mas sim, a maneira mais importante de manter a luta pelos direitos dos trabalhadores. Estamos insistindo nesse tema para que as decisões que a categoria toma em assembleia sejam respeitadas e, principalmente, para que a defesa das condições de trabalho continue forte”, explicou o presidente do Sinttrol, João Batista da Silva.

Recursos da Fetropar serão revertidos para cursos de capacitação nos sindicatos

Os dirigentes também decidiram pelo repasse de recursos para que o Instituto São Cristóvão (ISC) leve cursos de capacitação e aprimoramento para entidades filiadas, sem nenhum custo para os formandos.

O financiamento da ação será feito com o valor de multas pagas pelas empresas ao Ministério Público do Trabalho (MPT) quando cometem irregularidades.

Os cursos serão ministrados diretamente nas sedes dos sindicatos que manifestaram interesse durante a reunião, para turmas de até 30 alunos.

Entre os assuntos que poderão ser abordados, dependendo das demandas dos trabalhadores, estão transporte coletivo, transporte escolar, cargas indivisíveis e cargas perigosas (MOPP).

Fonte: Sinttrol

Post Relacionados