Saúde dos motoristas é responsabilidade de toda a sociedade

A saúde de motoristas profissionais não deve ser apenas uma preocupação do segmento. Isso porque esses trabalhadores têm um papel fundamental no desenvolvimento do país, transportando tanto pessoas como mercadorias. E os números mostram que outros setores da sociedade já têm motivo para se preocupar: estão faltando condutores no país, e o principal motivo são as condições de trabalho relacionadas à profissão.

A informação é de uma pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT), realizada em 2015, que apurou a carência de aproximadamente 50 mil motoristas no mercado de trabalho brasileiro. Já um outro levantamento feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mostrou que a profissão está entre as funções com maior nível de estresse no Brasil – o que justifica a falta de trabalhadores na área.

Na visão do presidente do Sinttrol, João Batista da Silva, a situação pode levar a um panorama caótico em breve. “Essa falta de motoristas profissionais acontece porque muitos abandonam a profissão ou pegam licenças por causa de questões de saúde. Governo e população precisam entender o que isso significa para o país. A falta de condutores simboliza atraso”, alerta.

Panorama

Os motoristas profissionais têm altos índices de estresse e de doenças ocupacionais por conta das condições a que são submetidos diariamente. Algumas questões são de ordem administrativa e dependem das empresas para mudar, como veículos sem manutenção adequada, jornadas de trabalho exaustivas, redução de salários, viagens muito longas e desrespeito aos intervalos para descanso previstos em lei.

Já outras dizem respeito ao poder público: são estradas em péssimas condições de tráfego, falta de iluminação nas rodovias e a violência que assola a categoria – principalmente os condutores que trabalham com transporte de cargas.

Todos esses fatores são diretamente responsáveis pelo desenvolvimento de doenças físicas e psíquicas. Além disso, suas consequências também geram problemas. As situações levam os trabalhadores a não se alimentar bem, descansar pouco e não ter condições de consultar médicos com frequência.

“A sociedade precisa urgentemente colocar a mão na consciência e ajudar a categoria a pressionar empregadores e governos por melhores condições nas estradas”, cobra João Batista.

Fonte: Sinttrol

Post Relacionados